Página inicial

Poesia expressada na vida

Por Paulo Augusto Lamorea

Reconhecer a pessoa que está ao nosso lado

Caro leitores, o que vocês leram aqui é um trecho retirado do livro Como fazer amigos & Influenciar pessoas escrito por Dale Carnegie e antes de vocês lerem o trecho responde essa mini enquete.

Pergunta: Esposas, vocês tem o reconhecimento de seus maridos? Maridos, vocês tem o reconhecimento de suas esposas? Observação: Essa pergunta não é só para casais héteros, é para todos os tipos de casais e sem distinção de gênero.
Resposta: Se ambos disserem não ter o reconhecimento, então leia o trecho retirado do livro e aprenda a reconhecer o que a pessoa que está ao seu lado faz para você reconhece-lá.

“…Um membro de uma de nossas classes relatou-nos a respeito de um pedido feito por sua esposa. Ela e um grupo de companheiras da igreja estavam seguindo um programa de autoaperfeiçoamento. A mulher solicitou ao marido que a ajudasse elaborando uma relação com as seis coisas que, segundo ele, ela poderia fazer para se tornar uma esposa mais eficiente. Ele relatou à classe: “Esse pedido me deixou surpreso. Francamente, não me teria sido difícil relacionar seis coisas nas quais gostaria que ela mudasse – e ela, por sua vez, poderia ter relacionado milhares de coisas em que eu poderia mudar -, mas não o fiz. Em vez disso, disse-lhe: “Vou pensar nisto e amanhã pela manhã dou uma resposta”.
“Na manhã seguinte, levantei-me muito cedo, liguei para uma floricultura e pedi que entregasse seis rosas vermelhas à minha esposa, acompanhadas de um cartão com os dizeres: “Não consigo me lembrar de seis coisas em que você poderia mudar. Eu a amo do jeitinho que você é”.
“Quando cheguei em casa naquela noite, adivinhem quem me recebeu à porta? Exatamente minha esposa! Estava quase chorando. Nem preciso dizer, fiquei extremamente contente por não tê-la criticado como me pedira”.
“No domingo seguinte, na igreja, após minha esposa apresentar os resultados de sua missão, muitas mulheres com quem ela estudava procuraram-me e disseram: “Foi o gesto mais cortês que vi em toda a minha vida”. A partir de então compreendi o poder que tem a apreciação”.
“…” – Como fazer amigos e influenciar pessoas / Dale Carnegie ; tradução de Fernando Tude de Souza. – 52. ed. – São Paulo : Companhia Editora Nacional, 2012.

Legal, né?
Eu adorei a iniciativa do marido em dar 6 rosas à esposa dele, também gostei de ler como a esposa recebeu o marido, mas esse gesto nobre do marido está baseado na década de 30 à 50 no século passado e nesses períodos atuais, como você vai fazer para melhorar o seu relacionamento com a(o) sua(seu) companheira(o)?

Obrigado por lerem esse post. ❤ 😉

Que haja bastante equilíbrio na sua vida.

Desejo de ambos & Desejo de um Ser

O escritor Dale Carnegie descreveu o seu ponto de vista sobre esse tema, o desejo da outra pessoa e o desejo para si, leia o trecho abaixo e eu vou dar a minha opinião abaixo do trecho.

“Considerar o ponto de vista alheio e despertar no outro um desejo de possuir algo não deve ser entendido como manipulação, decorrendo disso que a pessoa fará alguma coisa em detrimento dela e em benefício de quem a persuadiu.”

Despertar: Ato ou efeito de despertar algo; Manipulação: Falsificar a realidade que buscar induzir alguém a pensar de determinada forma; Detrimento: Estrago material ou moral, prejuízo e perda; Benefício: Vantagem que se consegue tirar de alguma coisa.

Sabendo disso, essa é a minha opinião sobre o trecho: A pessoa K quer ouvir um gênero musical que ela gosta, mas a pessoa W não gosta desse gênero musical por alguns motivos pessoais, então a pessoa W manipula a pessoa K, só para ela ter o seu desejo atendido e isso faz com que a pessoa K abre mão do seu desejo. Moral do exemplo, a pessoa W saiu beneficiada e enquanto a pessoa K saiu perdendo.

“Numa negociação, ambas as partes saem beneficiadas.”

Voltamos ao exemplo anterior, ao invés de W manipular K, as duas pessoas sentasse para resolver dignamente a situação e no final da reunião ambas saem beneficiadas por decidirem juntas os dias e os momentos que a pessoa K possa ouvir as suas músicas desse gênero e W irá aprender a maneira que K filtra as músicas.

Com isso meus caros seguidores, essa é uma boa lição para vocês terem uma negociação calma e digna com as pessoas que estão nos seus círculos.

“…” – Como fazer amigos e influenciar pessoas / Dale Carnegie ; tradução de Fernando Tude de Souza. – 52. ed. – São Paulo : Companhia Editora Nacional, 2012.

Um campo de trigo que lhe mostra o poder da união das sementes e a força que eles tem juntos num ambiente cheio de stress climáticos.

Cativar pessoas pelos desejos

Durante uma palestra sobre fala eficaz para os estudantes universitários, uma pessoa X que estava nessa palestra, tentou persuadir os seus colegas dizendo essas palavras: “Quero que vocês venham jogar basquetebol. Gosto muito desse jogo, mas as poucas vezes que tenho ido ao ginásio não encontrei número suficiente de pessoas para formar um time. Dois ou três de nós estivemos parte da noite passada jogando a bola de um para outro, e eu saí com equimose numa das vistas. Desejo que vocês, rapazes, venham amanhã à noite. Eu quero jogar basquetebol.” Vocês acham que alguém apareceu no dia seguinte?

Agora veja a diferença de palavras ditas pela pessoa Y: “E aí gente, como estão? Vocês gostam de jogar basquetebol? Eu tô dizendo isso porque estou querendo montar um time de basquetebol, vocês dentro desse time podem utilizar o ginásio para treinar as suas habilidades, além de terem um seguro para permanecer nesta faculdade, também uma maior qualidade de vida, depois dos treinos vocês vão ter um apetite feroz, esse esporte também ajuda a aumentar a sua capacidade neural, vão se divertir jogando, vão poder se reunir nas casas de vocês para jogar outros jogos, além de participarem de campeonatos de basquetebol e aí vocês topam?” O que vocês diriam e explique o porquê dessa resposta?

Essas duas estátuas mostram o caminho que temos que fazer, decifram qual é esse caminho e depois compartilha com as outras pessoas que convive com você.

O PAI PERDOA

W. Livingston Larned
Escute, filho: enquanto falo isto, você está deitado, dormindo, uma mãozinha enfiada debaixo do seu rosto, os cachinhos louros molhados de suor grudados na fronte. Entrei sozinho e sorrateiramente no seu quarto. Há poucos minutos, enquanto eu estava sentado lendo meu jornal na biblioteca, fui assaltado por uma onda sufocante de remorso. E, sentindo-me culpado, vim para ficar ao lado de sua cama.
Andei pensando em algumas coisas, filho: tenho sido intransigente com você. Na hora em que se trocava para ir à escola, ralhei com você por não enxergar direito o rosto com a toalha. Chamei-lhe a atenção por não ter limpado os sapatos. Gritei furioso com você por ter atirado alguns de seus pertences no chão.
Durante o café da manhã, também impliquei com algumas coisas. Você derramou o café fora da xícara. Não mastigou a comida. Pôs o cotovelo sobre a mesa. Passou manteiga demais no pão. E quando começou a brincar e eu estava saindo para pegar o trem, você se virou, abanou a mão e disse: “Tchau, papai!” e, franzindo o cenho, em resposta lhe disse: “Endireite esses ombros!”
De tardezinha, tudo recomeçou. Voltei e, quando cheguei perto de casa, vi-o ajoelhado, jogando bolinha de gude. Suas meias estavam rasgadas. Humilhei-o diante de seus amiguinhos, fazendo-o entrar na minha frente. As meias são caras – se você as comprasse tomaria mais cuidado com elas! Imagine isso, filho, dito por um pai!
Mais tarde, quando eu lia na biblioteca, lembra-se de como me procurou, timidamente, uma espécie de mágoa impressa nos seus olhos? Quando afastei meu olhar do jornal, irritado com a interrupção, você parou à porta: “O que é que você quer?”, perguntei implacável. Você não disse nada, mas saiu correndo num ímpeto na minha direção, passou os braços em torno do meu pescoço e me beijou; seus braços foram se apertando com uma afeição pura que Deus fazia crescer em seu coração e que nenhuma indiferença conseguiria extirpar. A seguir retirou-se, subindo correndo os degraus da escada.
Bem, meu filho, não passou muito tempo e meus dedos se afrouxaram, o jornal escorregou por entre eles, e um medo terrível e nauseante¹ tomou conta de mim. O que o hábito estava fazendo de mim? O hábito de ficar achando erros, de fazer reprimendas – era dessa maneira que eu o vinha recompensando por ser uma criança. Não que não o amasse; o fato é que eu esperava demais da juventude. Eu o avaliava pelos padrões da minha própria vida.
E havia tanto de bom, de belo e de verdadeiro no seu caráter. Seu coraçãozinho era tão grande quanto o sol que subia por detrás das colinas. E isto eu percebi pelo seu gesto espontâneo de correr e dar-me um beijo de boa-noite. Nada mais me importa nesta noite, filho. Entrei na penumbra do seu quarto e ajoelhei-me ao lado de sua cama, envergonhado! É uma expiação inútil; sei que, se você estivesse acordado, não compreenderia essas coisas. Mas amanhã eu serei um papai de verdade! Serei seu amigo, sofrerei quando você sofrer, rirei quando você rir. Morderei minha língua quando palavras impacientes quiserem sair pela minha boca. Eu irei dizer e repetir, como se fosse um ritual: “Ele é apenas um menino – um menininho!”
Receio que o tenha visto até aqui como um homem feito. Mas, olhando-o agora, filho, encolhido e amedrontado no seu ninho, certifico-me de que é um bebê. Ainda ontem esteve nos braços de sua mãe, a cabeça deitada no ombro dela. Exigi muito de você, exigi muito.”

Muito lindo, né? Um pai que no início criticava o filho, condenava-o e além de querer que ele fazia algumas coisas que os adultos fazem, enquanto ele era apenas uma criança pura, vivendo alegremente com seu pai e dando-lhe muito amor.
Mas depois do super abraço e do super beijo, aquela pessoa rígida, endurecida se quebrou em milhões de pedacinhos e só aí que o pai viu o filho como uma criança que se diverte, chora, cheia de amor e que também quer receber o amor de seu pai.

Observação – ¹Nauseante: Variação de Nauseabundo, essa palavra tem o significado de causar náuseas que é uma sensação que antecede o vômito.

Referências:
Sites: https://www.dicio.com.br/nauseante/
https://www.dicio.com.br/nauseabundo/

Livro: Carnegie, Dale, 1888-1955.
Como fazer amigos e influenciar pessoas / Dale Carnegie ; tradução de Fernando Tude de Souza. — 52. ed. — São Paulo : Companhia Editora Nacional, 2012. p. 50 à 52.

No filme LOGAN, podemos ver claramente que o amor do Logan/Wolverine (Hugh Jackman) pela a Laura/X-23 (Dafne Keen), seja por terem os mesmos poderes e porque ele era o único mutante dos antigos X-Men capaz de proteger os jovens mutantes, no ponto de vista da Laura, o Logan foi um pai que ela sempre quis e amou-o até o fim.

As emoções atrapalham na hora da fala

Caro leitores e leitoras, se as suas emoções te atrapalham na hora de você falar, esse trecho são para vocês e tenho certeza que ajudará todos vocês.

“Libere o ar de seus pulmões, bem devagar! Respire bem devagar, calmamente, inspirando pouco ar pelo nariz e expirando longa e suavemente pela boca. Conte até três, devagarzinho, na inspiração e até seis, na expiração. Faça o ar ir para seu abdômem, estufando-o ao inspirar e deixando-o encolher ao expirar. Não encha os pulmões. Ao exalar, não sopre, apenas deixe o ar sair lentamente pela sua boca. Procure descobrir o ritmo ideal de sua respiração nesse estilo e nesse ritmo e você descobrirá como isso é agradável.” – Natalia Farla Pedroso.

Eu já descobri o meu ritmo e sempre coloco em pratica esse ensimaneto. Agora é com vocês! Descubram o seu ritmo de respirar para poderem falar melhor e de um jeito que as pessoas te ouçam melhor.

Abraços virtuais! Paulo A. L.

A donzela iluminando os algodões gasosos, essa imagem é linda e cheia de vida.

Quando você estiver diante de uma situação, responde essas perguntas.

Você vai escrever a situação para você ficar pensando nela, quando for responder as perguntas.

PERGUNTAS
1º Eu devo agir? – Aguarde e reflita!
2º Vou fazer mau a alguém? Ou a mim?
3º Como o outro se sente com o meu comportamento?
4º É necessário?

Se você não fizer isso, tenho certeza que você vai agir impulsivamente e com certeza vai dar algo errado com você ou com a pessoa envolvida. Para isso não acontecer, tenha sempre gravado essa frase: Agir impulsivamente é não refletir antes da ação.

Toda ação que você faz, gera uma reação e essa reação pode ser negativa ou positiva. Se for positiva você vai se sentir mais motivado.
Então mudando um pouco a imagem fica assim: AÇÃO POSITIVA GERA MOTIVAÇÃO!

Um comentário em “Página inicial

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora